sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Escola Feliz

Fazer os jovens felizes não está nas primeiras prioridades da escola. Mas será o estudo incompatível com tal estado de espírito? Nesta sexta-feira, normalmente dia mais feliz, o DeCampoMaior relata aqui o resultado de mais um estudo (sim, há estudos para tudo) desta feita sobre a felicidade na escola.
O já famoso Programme for International Student Assessment (PISA) conclui que os alunos portugueses são felizes na escola…sim, o leitor leu bem…são felizes na escola. Enquanto nos resultados Portugal atingiu a média da OCDE, na felicidade os alunos ficaram bem acima da média com 86,5% a afirmarem-se felizes. Em contraposição os coreanos têm otimos resultados mas são infelizes. A explicação é simples: os alunos têm na escola o seu espaço de convívio, esquecem problemas, sendo a escola pai, mãe e até assistente social, pois em muitas escolas mata-se a fome.
A boa avaliação estende-se aos professores com Portugal a distinguir-se, mais uma vez, pelo nível elevado de respostas positivas dos alunos em relação aos seus professores.
A moral dos professores é que já teve melhores dias. A moral dos professores é avaliada em 76% enquanto a média da OCDE é 91%.

Bom fim de semana e…façam o favor de serem felizes!

3 comentários:

Pimpinela Escarlate disse...

Caro Jack,
Permita-me fazer uma breve reflexão sobre o seu interessantíssimo post.
Os professores têm razões para estar menos felizes, sempre foram uma classe privilegiada em comparação com outras classes com mesmo grau de formação académica, mas nos últimos anos retiraram-lhes todos os benefícios e a segurança inerente ao funcionalismo publico, e que eram, á partida, um dado adquirido para quem escolhia esta profissão.
No entanto, será que lhes retiram benefícios e segurança ou os colocaram na posição em que sempre deviam ter estado? É uma pergunta difícil, para a qual não tenho resposta.
E, hoje em dia, serão só os professores que têm motivos para serem menos felizes ou somos todos nós?
Continuação de um esplêndido trabalho, até outro dia.

Centro Escolar de Campo Maior disse...

A escola só pode reflectir a sociedade onde está inserida! Mas, a sua função tem passado em muito o admissível, ocupando, em muitos casos, o papel fundamental da instituição família. E de quem é a culpa? Possivelmente dos professores, essa classe que nada fez e que tinha imenso tempo livre! Dever-se-iam ter limitado a cumprir os seus horários, deixando questões de ordem social, familiar ou do foro mental para os especialistas das áreas! Pois, a verdade é que poucos ou nenhuns destes especialistas existiam nas escolas e os bandidos dos professores tiveram de os substituir! Somos tão ingratos e acabamos por cuspir no prato onde comemos! Haja decência! Interessante como ninguém mete o bedelho noutras áreas e na da Educação é só treinadores de bancada!
Classe privilegiada! Sabe, o problema é que tomamos alguns exemplos próximos como e expressão global de uma realidade! Há maus professores, há! Há alguns com regalias, há! E é só nesta classe? NÃO!
Mesmo grau de formação! Fala em relação a que outras classes profissionais? Conhece os dados de pós-graduações, mestrados ou doutoramentos da classe docente portuguesa, PIMPINELA? Informe-se, tenha juízo e depois... não venha falar de felicidade colectiva, cinja-se ao seu caso pessoal e deixe os outros sossegados!
Hoje em dia não há paciência para este tipo de mesquinhez profissional, envenenada de pequenas invejas e lugares comuns!
É bom que ao menos alguns revelem gosto em frequentar e trabalhar na Escola!

Pimpinela Escarlate disse...

Caro Centro Escolar de Campo Maior,
Tenho que admitir, a escola, em muitos casos, tem vindo a ocupar o papel da família, sem dúvida que o mérito é dos professores, que estão sempre disponíveis para colaborar com o meio envolvente, é a polivalência que os nossos governantes defendem para todos, professores e não professores.
Efetivamente não tenho informação sobre os dados de pós-graduações, mestrados ou doutoramentos da classe docente portuguesa, mas com certeza que se reflecte no sucesso académico dos seus alunos, uma vez que pessoas com mais competências também têm maior capacidade para atingir objectivos, ou seja, sucesso escolar.
Se a Educação não fosse uma preocupação de todos nós, uma vez que é a escola que forma os líderes do futuro, não estávamos aqui a expressar as nossas opiniões e todos temos direito de o fazer, porque ao contrário do futebol, somos todos nós que a financiamos e queremos o melhor para as próximas gerações e com certeza que não são só os professores que têm esse privilégio.
Uma das coisas que aprendi com os notáveis professores que tive ao longo da vida é que todos temos o direito de expressar as nossas opiniões, com educação e respeito pelos outros.
Faço votos sinceros que o “Centro Escolar de Campo Maior” tenha um ano lectivo com muito sucesso escolar, porque quem ganha com isso não é só a escola, mas sim todos nós.
“Nem tudo que se enfrenta pode ser modificado mas nada pode ser modificado até que seja enfrentado” Albert Einstein