terça-feira, 9 de junho de 2009

Da lista de assinaturas

Há dias entrou-nos em casa uma amiga da minha mãe que precisava muito de falar com ela porque estava muito apoquentada com uma coisa que lhe tinha acontecido e precisava de desabafar e de pedir a opinião da minha mãe e então ela começou a contar que num destes dias nas aulas de ginástica onde ela anda há muito tempo no Centro Comunitário a professora lhe pediu para levar o bilhete de identidade e depois para ela assinar um papel com o nome e o número do BI ora ela na altura julgou que era um papel para a inscrição nas aulas de natação da nova piscina mas depois uma colega disse-lhe que não devia ser e outra ainda disse que se calhar era para a lista de apoio ao senhor presidente da câmara e à vereadora para as eleições que vai haver lá mais para Outubro e aí ela começou a ficar cada vez mais atrapalhada porque uma coisa que ela não quer é meter-se em coisas da política e então a minha mãe disse-lhe que ela devia pedir explicações à pessoa que não lhe disse para que servia aquela lista e porque não há direito que usem a boa-fé das pessoas para conseguirem coisas enganado-as e eu daqui tirei uma lição que é não devemos assinar nada sem sabermos de certeza para que fins a assinatura vai servir e outra coisa ainda é que não nos devemos fiar mesmo nas pessoas que parecem muito simpáticas e muito amigas.

12 comentários:

José Marroquino disse...

Ora aí está o "burriquismo-golaismo" no seu máximo esplendor!
Vale tudo, mesmo tudo, mesmo tirar olhos.
Assim vai ser constituido o movimento de apoio ao sr. presidente.

Anónimo disse...

A menina deve estar a confundir com as datas.
Veja lá se isso não aconteceu à quatro anos numa dita empresa, onde as pessoas foram obrigadas (sim obrigadas) a assinar um dito movimento.

urtiga disse...

Senhor anónimo não estou a confundir nada porque o que aconteceu em minha casa foi aqui há dias e quanto ao que aconteceu há quatro anos não sei mesmo nada e se o senhor acha que isso que se deu foi mal feito então agora também tem de achar e além disso é muito grave estas pessoas de agora foram enganadas.

ginasta. disse...

eu posso confirmar esta afirmação feita neste poste porque estava presente e queriam que eu assinasse e eu disse que não assinava porque não posso estar a assinar para uma coisa que não estão a dizer para que é. isso foi na semana passada quando a ginastica foi feita no centro comunitário eu até ja pensei em desistir porque se ando la de graça sem pagar nada e depois vem pedir favores desses, eu não alinho. desculpem os erros de escrita.

Ana Marta disse...

E então? O que é que o sr.(ª?) anónimo(a)tem a dizer a isto?
Como é que vocês podem caluniar pessoas que tanto têm feito por Campo Maior para andar a enaltecer outras que mais não fazem do que se andarem a servir-se de Campo Maior para se beneficiarem?
Ou estão "tapados" de todo ou estão a agir de má fè.
Afinal o que é que vocês querem? Que determinada família se canse de tudo isto e resolva ir-se para fora desta terra? E o que será desta terra sem essa família?
Vocês andam a iludir o pagode. Talvez muitos ainda venham a chorar lágrimas de sangue por vos terem dado ouvidos.
Deixem-nos viver em paz. Vocês só semeiam a guerra. O que será de nós se esta terra continuar a andar para trás como tem acontecido?

Zé Pessoa disse...

Haja Deus! Até que enfim aparecem pessoas honestas a denunciarem as manigâncias que esta gente andou a espalhar para enganarem as pessoas desta terra.
O dia que se souber tudo o que têm anda a fazer haverá muitos que até nem saberão onde se meter. Isto se ainda lhes restar um pouco de vergonha.
Acusam, acusam, mas vamos lá a saber: quem deu e quem tirou aos campomaiorenses? Quem os ajudou a sustentar-se e que os andou a entreter com palhaçadas sem nada fazer para o seu sustento e bem estar?
Será que as pessoas de Campo maior perderam por completo o juízo?

Anónimo disse...

...Mudan-se os tempos mudan-se as vontades...

Saudações revolucionárias

Do mal o menos... disse...

Apesar de o facto de uma assinatura naquela lista não ser uma tomada de posição politica, já que todos devemos ter por dever civico apoiar quem se queira, democraticamente, candidatar, podendo nem sequer vir a votar depois neles, o facto é que se a história se passou assim isso é uma falta d erespeito pelas pessoas. E demonstra algum medo de alguma coisa... Do que terão medo na Câmara, para se utilizar deste tipo de "engendramentos" para conseguir assinaturas???

Ainda assim repito: minha senhora, que foi enganada. Do mal o menos. Apenas assinou uma folha para que (hipoteticamente) um grupo de cidadãos, possa, democraticamente, ir a eleições. Pode sempre vingar-se nas urnas, aquando das autárquicas.

um abraço e parabéns pelo Blogue, bem melhor que aquela "coisa" que era bom e agora não vale nada, do ô me belo Campo Maior.

E se... disse...

Olhe sr.ª Dona Ana Marta.

Por vezes já pensei que talvez nem tudo tenha um preço na vida, sabe. E talvez a liberdade seja aquela que menos tem preço. A liberdade é de graça... e assim deve continuar.

Por vezes, já me pus a pensar se não seria melhor essa dita familia dar de frosques daqui. Perdiam-se empregos, é certo. Muitos empregos, é certo.

Mas já viu a que preço Campo Maior e os campomaiorenses andam a vender a sua liberdade? A preço de empregos, mais nada. Baixam a cabeça a essa familia apenas para terem um ordenadozinho ao fim do mês.

Campo Maior perderia empregos, é certo. Muitos empregos. Mas talvez voltasse a ganhar a dignidade que neste momento, não tem, por viver neste clima ditatorial.

Convido-vos a ler um livro para crianças, que se chama "Liberdade" de um senhor que é Luandino Vieira. Por vezes mais vale ter fome e ser livre, a comer do melhor, mas ter de perguntar a alguém se pdoe comer, para depois, muitas vezes, percebermos que apenas estamos a ser engordados para a matança final.

Viva A LIBERDADE... ainda que com dificuldades.

fulano disse...

Eles andem ai.... aflitinhos! Pensavam no convite, mas tramaram-se. agora andam como outros andaram, à procura da assinatura. Ao que parece os outros foram obrigados, ao que parece!!! Agora não são obrigados, mas enganados(???), isso é "jogo rasteiro". Sabem o que isso significa, precisam de nós! e Nós que não abrimos os olhos e lhe passemos uma rasteira. Ah ganda povão!!! ainda não acordou!

Agora digo eu disse...

Pois é Sr. "E...se disse..."
Muito fácil é falar de fome quando nunca se passou fome. Muito fácil é arrotar coragem quando não se teve nunca de ser corajoso. A condição primeira da liberdade é ter condições mínimas para se ter liberdade. Ninguém é livre se não tem asseguradas as condições mínimas de sobrevivência. Talvez que eu até consiga suportar a minha própria fome. Mas como arriscar a sobrevivência dos que dependem do meu trabalho?
Olhe: trabalho há muitos anos na empresa Delta e nunca me senti coagido, nem humilhado, nem nunca niguém me obrigou a fazer o que eu não quisesse. Conheço colegas meus que apoiaram os que se opôe aos donos da Delta sem por isso terem sido despedidos. Vi sim, alguns serem despedidos devido ao desleixo e à má qualidade do seu trabalho. Esses, vêm cá para fora queixar-se de perseguições quando, na verdade, eles foram os únicos culpados de terem sido despedidos. Mas sempre com as indemnizações devidas. E sem mais perseguição do que a de terem sido dispensados.
Ao contrário, os "donos da câmara municipal" não despedem. Quando as pessoas não os apoiam, põem-nos de lado, imobilizam-nos, humilham-nos não os deixando desenvolver qualquer trabalho. Não tendo motivos aceitáveis, não lhes levantam processos disciplinares. Apenas os anulam como trabalhadores e como pessoas. E ali ficam, inúteis, improdutivos e a viver à custa do orçamento público. Se fossem pagos do bolso dos "donos da câmara" isto seria do mesmo modo? Quanto custa ao erário público uma arquitecta, uma sociológa, um desenhador e um técnico de informática a fazerem nada ou a fingirem que fazem trabalho sem qualquer interesse? Acha que são livres e que se sentem dignos, esses funcionários? Porque não propõe também a sua expulsão para fora do concelho de Campo Maior?
Ora, ponha a mão na consciência... assuma uma posição de verdadeira dignidade.

E se... de novo disse...

Claro que nenhum de nós poderá dara cara. Você, até lhe gabo o facto de nãod ar porque com uma defesa dessas vc seria promovido.

Quanto a dizer que é fácil falar de fome quando nunca se passou... é pena nao podermos dara cara nesta terra pois, infelizmente pela minha liberdade já passei fome ao ponto de passar muitos dias de alguns meses com o minimo indespensável.

Mas mantive-me sem baixar os "cornos" a ninguém. Sabe o que eu sei: não falo porque tenha ouvido alguém cá fora a falar mal da Delta. Mas basta ver os olhares das pessoas, quando se fazem certas perguntas... as repostas artificiais que se dão, mais pelo politicamente correcto do que porque dizem aquilo que sentem... isso sente-se.

E a condição básica para se ter liberdade não é, sem qualquer duvida, ter condições minimas. Ter liberdade e poder criar as minhas condições minimas, na vida, sem que me deam tudo de mão beijada... isso deseduca e os campomaiorenses, infelizmente,e stão deseducados de lutarem por as coisas, porque tem o minimo indispensável, dado por alguém. Claro que a liberdade, perante coisas destas é condicionada... por muito que vc me queira dizer por A+B que não... a liberdade fica sempre condicionada.

Por fim... é óbvio que se digo isto de uma empresa como a Delta também sei que nas Câmaras Municipais é assim que se actua... infelizmente é assim e não deveria ser. MAs esse infelizmente, não é um exclusivo da autarquia campomaiorense... é em todas.

E pense melhor nos seus conceitos de liberdade.

Pense no Estado Novo... muitos passavam fome e não tinham liberdade igualmente. E depois do 25 de Abril continuaram a passar fome mas tiveram a liberdade de tomar um novo rumo. Mas como bons portugueses que somos, em 25 anos conseguimos fazer tudo ao contrário. Gostamos de ser subservientes e sempre gostámos... infelizmente.

Um abraço