quarta-feira, 1 de abril de 2009

Da conformação e da passividade

Depois de uma fase de grande euforia em que surgiram vários blogues elaborados em Campo Maior e em que, cada um deles postava quase diariamente, suscitando alguns uma razoável panóplia de comentários, por vezes interessantes e de boa qualidade, assistimos agora a uma retracção assinalável.
Por um lado, há os que foram desactivados, outros reduziram e espaçaram os textos publicados e, em todos eles, se nota como que um desânimo, uma acomodação conformada como se estivessem cansados de lutar contra moinhos que nem se movem nem se manifestam, instalados que estão na sua pesada imobilidade.
Os que subsistem apresentam-se agora com muito menos qualidade, suscitam comentários escassos que, na maioria dos casos, são de uma mediocridade confrangedora.
Claro que há excepções, embora me pareça que os que atingem qualidade digna de destaque, são seguidos por grupos restritos de gente que tem uma atitude cultural algo distinta do que é usual entre a população dominante em Campo Maior.
Enfim… sem que eu compreenda bem porquê, a vila parece-me conformada com o seu triste destino de sentir que não tem destino nenhum. É triste, muito triste, assistir à aceitação de tão conformada fatalidade.

3 comentários:

Latino disse...

Correndo o risco de me querer colocar em bicos de pés, atrevo-me a incluir-me nesse lote de bloguistas de que fala, posso apenas falar no projecto Vila Raiana, confesso que não escrevo com a assiduidade que gostaria, no entanto entre colocar qualquer coisa só porque sim e não colocar nada, prefiro o nada. Mas o projecto não está morto, está a modos que adormecido, mas só e apenas por manifesta falta de tempo para a escrita. Quanto aos que vão desaparecendo, as pessoas não são parvas e a selecção natural que estas acabam por fazer, acabam por ditar o desaparecimento de alguns.

Gavião disse...

Fiz apenas uma análise baseada na constatação de um facto bem real.
Eu próprio só escrevo quando entendo que tenho algo que merece a pena ser escrito
Com toda a consideração e confissão de que sigo regularmente os eu "blog"

Zé Camões disse...

Boa tarde.
Tem razão, as coisas estão pouco quentes e quase a cair na banalidade, no entanto saliento que no meu caso, na minha loja de conveniência, nunca procurei atrair todos os públicos nem nunca fiz tenções de ter um espaço generalista ou bairrista. O meu blog é parte daquilo em que acredito e gosto, tenho por isso o prazer de poder algo partilhar algo meu, com alguns leitores que aceitarem a sugestão.
Cumprimentos.