domingo, 31 de agosto de 2008

Do convento das Concepcionistas em Campo Maior

Siripipi Alentejano chama a atenção para o apelo feito pelas freiras que actualmente habitam o convento de Campo Maior, para angariarem os recursos necessários à conservação do mesmo, sobretudo da igreja.
Por outro lado, está anunciado para o próximo dia 12 de Setembro, no Centro Cultural de Campo Maior, um espectáculo de canto e de declamação de poesia que tem como objectivo a angariação de contributos para o mesmo fim.
De certo modo, todos os campomaiorenses se devem sentir obrigados a, na medida das suas possibilidades, contribuírem para a realização das obras que se destinam a preservar um elemento patrimonial tão importante para a história e para a cultura de Campo Maior.
Não será isto uma acção tão importante e tão digna que mereça ser posta pelo poder local, pelo menos ao mesmo nível das consecutivas realizações de cantorias e outras manifestações pretensamente culturais?
Escusam de utilizar o argumento cínico de que isto lhes não diz respeito porque, na verdade, as freiras nem sequer estão a pedir para si, para se manterem. Pedem para preservar aquilo que a todos nós pertence.
E mesmo que pedissem para si, só por insensibilidade ou hipocrisia poderíamos ficar indiferentes a tal apelo. Todos nós sabemos que as freiras desempenharam ao longo do tempo que levam de permanência na comunidade campomaiorense um importante papel social, quer na caridade que praticam junto dos mais desfavorecidos, quer na acção formativa que tiveram sobre sucessivas gerações de jovens que ajudaram na sua preparação para a vida adulta, ensinando-as na arte do bordado, de que algumas usufruíram, recorrendo a ela como actividade profissional e meio de subsistência.
Vamos lá. Haja consciência. Todos juntos podemos ajudar a preservar o que é de todos nós.

4 comentários:

Três horas da manhã disse...

irei postar se possivel ainda hoje sobre o tema.
obrigado

Três horas da manhã disse...

Tal como prometido...divulguei a "Causa".

Cumprimentos

João Paulo Saragoça disse...

Com todo o respeito pelas "irmãs", não concordo. Todos sabemos que a igreja católica é detentora de uma das maiores fortunas do mundo.
Certamente que o Sr. Benedito não se importará de fazer uma transferênciazita para esse NIB.

De Campo Maior disse...

Compreendo as razões invocadas por J. P. Saragoça. Porém, não é o caso das irmãs que me preocupa. Tive, aliás, o cuidado de referir que elas nada pediam para si. O meu problema, o nosso problema, é o da degradação de um património que nos pertence. É que, francamente, já temos desleixo demasiado em questões de património de grande valor histórico, como é o caso deste convento.